15 de nov de 2011

O Ver...o sentir...



Não tenha medo do que você sente, antes, duvide do que você vê.

Dias atrás, passou um filme na tevê, cujo personagem principal faz o papel de um cego. Na verdade, é o registro de um fato real, em que o mesmo leva uma vida normal e, a partir de determinado momento, conhece uma moça, se apaixonam, vivem momentos de intensa descoberta, mas a pedido dela e desejo dele, resolve fazer uma cirurgia para que volte a enxergar.

Assim é feito, tendo a cirurgia total êxito. Porém, o que deveria vir a ser motivo de alegria para ambos, passa a ser fator de preocupação e estudos para a classe médica e, dissabores, entre o casal, já que o cérebro do rapaz não consegue decifrar as imagens enviadas pela visão.

Infelizmente, muitos de nós temos passado por este drama em nossas vidas, porém, sem nunca ter sido cego. Aprendemos, desde cedo, a ver as coisas como se apresentam diante de nós, decifrar os objetos, a vida, as pessoas, os sentimentos, sem nunca , na verdade, procurar sentir cada gesto, cada ação, cada momento vivido.

Diariamente, estamos cercados de amigos, filhos, cônjuge e mal conseguimos tocar suas almas, sentir o verdadeiro sentido das palavras, captar a essência de cada gesto expresso ou não. Apesar de enxergarmos, quantas vezes fazemo-nos de cegos para não sofrer, passando nosso cérebro a registrar tão somente aquilo que nos é necessário.

No filme, de todo o drama sofrido pelo casal a partir da cirurgia, o que mais chama atenção é o fato dele viver perguntando o porquê ,de determinadas feições dela, indagando o porquê, daquele sorriso, do olhar. Fato até normal, se considerado desconhecidos por ele, porém, fazendo-o abdicar do seu talento maior de quando era cego: sua capacidade de sentir o pulsar da vida, no outro.

A vida passa tão depressa! Na verdade, desde o nascimento somos ensinados a educar nossos sentimentos e, poucos são, os que se habilitam a nos ensinar a fechar os olhos, captar a verdadeira essência das palavras, presentes nas pessoas. Até nas brincadeiras somos treinados a ver o que se passa ao nosso redor. Nada de toques, descobertas, chegando, inclusive, a ralharem conosco se insistíamos brincar de ceguinho, advertindo, que se um vento passasse, poderíamos nos tornar cegos para o resto da vida. Desconsiderando, na verdade, que “ O essencial é invisível aos olhos.

O final do filme, é surpreendente. Leva-nos a perceber coisas grandes e pequenas que cruzam, diariamente, nossas vidas. Que, tantas vezes, nos levam ao sofrimento, desentendimentos e solidão.

Que bom, se antes nos terem ensinado a ver as coisas como elas realmente são, tivessem tido a preocupação de nos fazer sentir a nossa própria vida. A sermos mais atentos a nós mesmos, tornando-nos, dessa forma, aptos, talvez, a sentir o pulsar da vida em cada pessoa que chegasse até nós.

Oxalá! fôssemos capazes, não somente de decifrar nossos sentimentos e dos que nos rodeiam, mas aprendêssemos a captá-los, feito ondas de rádio. Certamente, nosso toque seria capaz de alcançar a essência de cada ser, retirando inúmeros sentimentos levados vida à fora e que, tantas vezes, não nos servem para nada.


O ver e o sentir

Recebemos de portaldiabetes.com.br
Desconhecemos a autoria.

===========================