26 de abr de 2012

DISTRIBUIR O TROCO

        "Minha rotina pela manhã inclui uma parada em uma loja
de conveniências para comprar o jornal.
Certa manhã, há pouco tempo, a conveniência da loja mostrou-se
inconveniente para as pessoas presas na fila atrás de dois pequenos
meninos.
Quando cheguei ao caixa para pagar pelo jornal, notei os dois garotos
em pé na frente da fila - uma fila que crescia a cada minuto.
O jovem atrás do caixa estava claramente irritado com os meninos
e disse para eles. - Olhem, vocês precisam de mais dezenove centavos
para pagar por este doce.
Se vocês não têm, vocês não levam.
E agora, o que vocês irão fazer?
       Eu assisti, como os pequenos meninos pareciam embaralhar os pés
sem articular uma palavra, apenas olhando fixamente para o caixa
com olhos entristecidos.
As pessoas esperando impacientemente na fila começaram a reclamar
ruidosamente . -  Como é que é! A fila anda ou não anda?  
        De repente, me senti na obrigação de intervir.
- Eu tenho os dezenove centavos, - gritei de minha posição na fila -
tome este dólar pelo meu jornal e use o troco para pagar pelo doce.
O jovem do caixa pareceu aliviado por ter o assunto resolvido.
Entreguei o dólar, sorrindo ao jovem do caixa e parti.
Enquanto fazia meu caminho até meu carro, uma pequena voz gritou
para mim.  - Ei, Senhora! Aquilo foi legal!
       Ele se foi.
Eu suponho que tinha sido um "obrigado" e gostei de pensar que
eu seria o assunto de suas conversas naquela manhã.
Eu era a "senhora legal" que salvou o dia pagando pelo doce
em um apressado e negligente mundo.
Fez-me sorrir imaginar que meu gesto clareou seu pequeno mundo,
mesmo que só por um momento. 
Quando cheguei a minha própria loja, eu me deleitava com minha
boa ação e procurava compartilhar minha história com minhas clientes.
Quando terminei de contar a história para um grupo de jovens,
uma delas virou-se para mim e disse. 
- Eu gosto de fazer pequenas coisas como esta,
também.
Quando eu paro para tomar meu café diário, eu deixo alguns centavos
no chão do estacionamento ou na calçada.
Algumas vezes eu fico em meu carro e observo para ver se alguém
encontra minhas moedas.
Sempre faz as pessoas sorrirem e faz meu dia mais alegre, também.
Eu tenho feito isto há anos.
        Eu não podia falar. Fazer alguém sorrir ao achar uns centavos
no estacionamento.
Talvez eu tenha sido uma das que receberam seu presente.
Ela admitiu timidamente que nunca tinha contado isto a ninguém.
       - E eu aqui, alardeando minha "generosidade".
Pensei comigo mesma. 
Eu aprendi que devemos fazer nossas boas ações sem fanfarra
e sem esperar reconhecimento.
        Humilhada, decidi não contar meu episódio matutino
para mais ninguém. Ficaria apenas entre Deus e eu.
       Naquela tarde, a caminho de casa, eu parei em um café para
comprar donuts.
Quando deixei a loja, notei uns brilhantes centavos na calçada.
Em vez de curvar-me e apanhá-los, eu ajoelhei e coloquei mais uma moeda.
Afinal, centavos são presentes de anjos e os
anjos sempre sorriem quando nós dividimos nosso troco.”

Um depoimento de Michele Starkey
=======================================