1 de jan de 2014

Reflexão buscada na Internet.

Quando algumas pessoas tem um conceito totalmente diferente daquilo que realmente somos, sentimos-nos estranhos. 
Estranhos para aquelas pessoas, e para nós mesmos ao tentar imaginar a figura irreal que criam de nós. 
Não podemos agradar a Gregos e a Troianos, e isso nunca me preocupou, mas incomoda-me o facto de sentir que há pessoas capazes de tudo para não nos ver a sorrir... Tantos valores naboca, e nada na alma e no coração.
Tudo que dizemos mostra um pouco de nós, mas não mostra as nossas vivências, nem os alicerces que nos mantêm de pé.
Cada pessoa é uma história, e todos nós temos dores, fragilidades, vitórias, derrotas, alegrias, decepções é isso que forma o nosso carácter, fazendo parte daquilo que somos nós.
É nisso que tento pensar quando alguém não me quer bem, me tenta magoar ou fazer mal mesmo sem o assumir, mesmo que indirectamente, camuflados em algo que pensam que são, mas não são! Tento justificar isso tudo com falta de amor, passados difíceis, dramas, feridas abertas... cicatrizes que jamais vão passar. Mas confesso que não é fácil, para mim que vivo muito do meu mundo, e das pessoas que eu amo... existem coisas que simplesmente não compreendo!
Hoje, mesmo com quase 30 anos custa-me a acreditar verdadeiramente que existam com a alma tão escura, e não falo de assassinos, pedófilos, ladrões, pois esses descobrem-se, assumem-se, ou então vivem com esse peso na consciência, falo sim daqueles que exercem directa ou indirectamente, pressões psicológicas, joguinhos, insultos , julgamentos, mesmo sem conhecimentos de causa, daqueles que se sentiram ameaçados por algum motivo e mostraram as garras para a pessoa errada, aqueles que tal como eu dizem ter uma vida honrada, e que bem lá fundo roem-se todos com as felicidades do próximo, daqueles que esperam ansiosos o dia em que o "suposto" inimigo cai, para se poderem rir à vontade... daqueles que vestem pele de cordeiro mas que no interior está um vulcão pronto a destruir o for preciso... enfim! As pessoas que estão bem consigo mesmas, e com o caminho que estão a percorrer não tem necessidade de atacar ninguém, pelo contrario, espalham amor, e felicidade por onde passam...Não julgam o teu caminho mesmo que seja oposto ao seu... deixam livres aqueles que amam...
Eu tive a sorte de passar mais de metade da minha vida com pessoas lindas, cheias de valores, muitos ensinamentos e aprendizagens, e isso fez de mim o que sou hoje, em contrapartida de uns anos para cá a minha vida cruzou-se com pessoas que nem em pesadelos gostaria de conhecer . Preferia morrer na ingenuidade, e ver tais realidades como filmes de telejornal, ou sessões de cinema ao fim da tarde...
Mas infelizmente a idade do faz de conta já passou, e temos que saber conviver com isso... com essa realidade, pode ser que um dia eu consiga!

Joana Miranda (Ciganinha)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente sobre a mensagem acima que você leu