3 de jun de 2010

Por que as pessoas gritam?

Um dia, um mestre indiano, preocupado com o comportamento dos seus discípulos, que viviam aos berros uns com os outros, fez a seguinte pergunta:

– Por que as pessoas gritam quando estão aborrecidas ou quando não se entendem?

– Gritamos porque perdemos a calma – disse um deles.

– Mas por que gritar quando a outra pessoa está ao seu lado? – questionou novamente o pensador.

– Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça – retrucou outro discípulo.



O mestre volta a perguntar:

– Não é possível falar com a outra pessoa em voz baixa?

Os alunos deram várias respostas, mas nenhuma delas convenceu o velho pensador, que esclareceu:

– O fato é que quando duas pessoas gritam é porque, quando estão aborrecidas, seus corações estão muito afastados. E, para cobrir esta distância, precisam gritar para que possam escutar-se mutuamente. Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão de gritar, para que possam ouvir umas às outras, por causa da grande distância.


E continuou o sábio:

– Por outro lado, quando duas pessoas estão enamoradas, não gritam; falam suavemente. Por quê? Porque seus corações estão muito perto. A distância entre elas é pequena. Às vezes, seus corações estão tão próximos que nem falam, somente sussurram. E quando o amor é mais intenso, não necessitam sequer sussurrar, apenas se olham, o que basta. Seus corações se entendem. É justamente isso que acontece quando duas pessoas que se amam estão próximas.


Por fim, o pensador conclui, dizendo:

– Quando vocês discutirem, não deixem que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais, pois chegará o dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta.

Lembremo-nos que: “Pela longanimidade se persuade o príncipe, e a língua branda amolece até os ossos” (Pv 25.15). 

Desconhecido a autoria


Recebemos de 

www.portaldiabetenet.com 


====================================

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente sobre a mensagem acima que você leu